sábado, 1 de agosto de 2009

Esquizofrenia, Astrologia e Paranormalidade.


Muito tem sido discutido ultimamente sobre uma doença mental chamada Esquizofrenia por causa da exibição da novela "Caminho das Índias", onde Tarso, personagem interpretado pelo ator Bruno Gagliasso, ouve vozes, tem mania de perseguição e um comportamento pendular que varia da introversão absoluta até a agressão desmedida.



Doença muito difícil de ser diagnosticada precocemente por ser facilmente confundida com outras como Depressão, Transtorno bipolar ou Síndrome do Pânico, acaba levando o portador a internações, afastamento dos familiares e da sociedade, o que piora o quadro.



Mas o que tem isto a ver com a Astrologia e a Paranormalidade? Tudo. Explico. Por ter sempre me dedicado à Astrologia Psicológica e Terapêutica, acabei tendo acesso a dados de pacientes portadores de Esquizofrenia por meio de parentes ou outros terapeutas na busca de explicações ou possíveis soluções para melhor convivência. Através desta experiência, consegui coletar alguns pontos em comum que valem a pena ser abordados.



Aquela que eu constatei ser a característica mais peculiar é a presença de, no mínimo, dois astros na décima segunda casa do mapa astrológico. Traduzindo: a décima segunda casa refere-se a questões de nossa vida que fogem do mundo cotidiano e lógico que conhecemos. São os sonhos, intuições, mediunidade, conexões com o inconsciente coletivo. Até aí, tudo bem, os médiuns, paranormais e muitos religiosos têm esta área astrológica extremamente forte e muito requisitada em todos os processos de sua vida, e dois ou mais astros também influenciam sua décima segunda casa. No entanto, por que não desenvolvem a doença? A diferença é que a mente consciente representada por Mercúrio no mapa astrológico do indivíduo, responsável pelo raciocínio, pensamento, comunicação e intelecto dos portadores de Esquizofrenia é assediado por aspectos muito complicados de Urano, em sua maioria ou por Netuno. Urano em aspecto com Mercúrio é uma "faca de dois gumes". Quando em aspecto fluente, causa genialidade, uma inteligência capaz de aprender qualquer tecnologia de ponta e compreender ciências abstratas e herméticas como a Astrologia ou a Ufologia. Entretanto, em situações de quadratura, quando Urano é distante de Mercúrio aproximadamente 90º no nascimento, este brilhantismo mental é transformado em proliferação de idéias sem concatenação e lógica, entrechocando-se e causando total confusão mental, podendo prejudicar a linguagem (dislexia) e o fluxo de pensamentos (Esquizofrenia ou Mal de Alzheimer, em idade avançada).



No caso dos médiuns e paranormais que têm uma vida normal, Mercúrio é responsável pela sua lucidez em entender a diferença entre os mundos espiritual e material, ou seja, eles entendem que a entidade que se manifestou para eles durante um transe mediúnico encontra-se em outra dimensão, e têm discernimento o suficiente para analisar e classificar o tipo de informação canalizada.



Há relatos de psicoterapeutas, cujos doentes até se auto-denominavam Jesus Cristo, gurus dentre outros delírios místicos. E é curioso o fato da maioria deles ter nascido com o Sol ou a Lua na nona casa astrológica: os buscadores do divino, pesquisadores de algo superior ou maior mas que, pela questão cognitiva perturbada pela situação acima descrita (Urano X Mercúrio), acabam se identificando com a ilusão criada por si mesmos através desta busca. São pessoas que, além do tratamento necessário, não devem cultivar a estagnação mental. Sua criatividade deve sempre ser incentivada, sua curiosidade deve ser direcionada a estudos filosóficos sob pena de acabarem perdidas no turbilhão do próprio delírio que direciona ao medo e ao isolamento das internações.



São tantos paralelos entre os diagnósticos psiquiátricos, psicanalíticos e astrológicos que, por si só, este tema originaria várias publicações! O importante é constatar que, até o início do século XX, a Esquizofrenia era taxada de "demência precoce" e, até hoje, é vista com preconceito. No entanto, os acometidos por ela são, na verdade, pessoas de uma extrema sensibilidade espiritual, com potencial criativo e filosófico, mas desorganizados no seu raciocínio. A Astrologia, conhecimento ainda muito pouco levado a sério e carente de estudos destituídos de preconceitos ou dogmas religiosos, é a ferramenta de análise que consegue interpretar o micro em analogia com o macrocosmo estabelecendo relações transdisciplinares na proporção em que promove o entendimento e a aceitação entre os seres humanos.

3 comentários:

Nelson oliveira disse...

De fato, há bem mais coisas entre o céu e a terra do que supõe a nossa vã psiquiatria. E, como você disse, é necessário um grande esforço transdisciplinar para se obter sucesso num processo terapêutico, sem desintegrar a essência de um ser.

Dunia el Hayed disse...

Quando se fala da mente na medicina tradicional, sempre encontramos falhas, pois o enfoque é pobre e limitado. Se pensarmos que o latim possuía pelo menos 5 formas de abordar a substância sutil da humanidade, sendo que temos apenas "mente" e "inteligência", percebemos que podemos ousar mais na observação da psiquê, como tu fizeste.
Obrigada pelo post, foi de muita ajuda.

Adelar Bazzanella disse...

Cara Mônica:

Muito interessante estas referências que apresentas; muito esclarecedoras e ótimas pistas para direcionamento de estudos!
No entanto, fico a perguntar-me do papel de Saturno e Plutão, no processo esquizofrênico. Por exemplo, uma oposição de Saturno e Sol, atingindo a décima segunda casa (sol) e a sexta (Saturno) e ainda, no caso de sse tema específico, a posição geracional do Plutão, no domicílio de seu regido, Escorpião, também na sexta casa, e portanto muito próximo (não sei se conjunto)ao Saturno!
Muito obrigado pelas valiosas informações.